O que é o Capacitismo?

Capacitismo refere-se ao viés, preconceito e discriminação contra pessoas com deficiência. Baseia-se na ideia de que as pessoas com deficiência são menos importantes do que as pessoas sem deficiência.

Última revisão da página: 22 de maio de 2024

Saiba tudo sobre Capacitismo


O capacitismo perpetua uma visão negativa da deficiência. Ele enquadra ser não deficiente como o ideal e deficiência como uma falha ou anormalidade. É uma forma de opressão sistêmica que afeta as pessoas que se identificam como deficientes, bem como qualquer pessoa que os outros percebam como deficiente. O capacitismo também pode afetar indiretamente cuidadores e pessoas próximas.

Assim como em outras formas de opressão, as pessoas nem sempre sabem que estão pensando ou se comportando de maneira capacitada. Isso ocorre porque as pessoas aprendem capacitismo com os outros, consciente ou inconscientemente. O viés que uma pessoa não sabe que tem é conhecido como viés implícito.

Preconceito implícito contra pessoas com deficiência é extremamente comum. Um estudo mais antigo descobriu que 76% dos entrevistados tinham um viés implícito em favor de pessoas sem deficiência. Isso incluiu entrevistados que também tinham deficiências.

No estudo, o capacitismo estava entre as formas mais comuns e fortes de viés implícito e explícito dentre os testados pelos pesquisadores, superando gênero, raça, peso e sexualidade. Perdeu apenas para o preconceito de idade (ageísmo).

Tipos de Capacitismo

O capacitismo se manifesta de muitas maneiras. Existe em diferentes níveis da sociedade, incluindo os seguintes:

  • Nível institucional: Esta forma de capacitismo afeta as instituições. Um exemplo é a capacidade médica, que está enraizada na ideia de que qualquer tipo de deficiência é um problema que precisa ser resolvido. Quando isso faz parte do ensino médico e da política de saúde, afeta todo o sistema de saúde e o bem-estar dos pacientes.
  • Nível interpessoal: Este é o capacitismo que ocorre nas interações e relacionamentos sociais. Por exemplo, um pai de uma criança com deficiência pode tentar “curar” a deficiência em vez de aceitá-la.
  • Nível interno: O capacitismo internalizado ocorre quando uma pessoa, consciente ou inconscientemente, acredita nas mensagens prejudiciais que ouve sobre a deficiência e as aplica a si mesma. Por exemplo, uma pessoa pode sentir que as acomodações para deficientes são um privilégio e não um direito.

Capacitismo também assume diferentes formas:

  • Capacitismo hostil: Isso inclui comportamentos ou políticas abertamente agressivas, como bullying, abuso e violência.
  • Capacitismo benevolente: Essa forma vê as pessoas com deficiência como fracas, vulneráveis ou que precisam ser resgatadas. Isso é paternalista e mina a individualidade e a autonomia da pessoa, reforçando uma dinâmica de poder desigual.
  • Habilidade ambivalente: Esta é uma combinação de capacitismo hostil e benevolente. Por exemplo, uma pessoa pode iniciar uma interação social tratando alguém de maneira paternalista e, em seguida, passar a ser hostil se a pessoa se opuser ao seu comportamento.

Muito importante a observar sobre o capacitismo é que ele afeta as pessoas de maneira diferente, dependendo de como os outros percebem sua deficiência. Por exemplo, a forma como as pessoas discriminam as pessoas com deficiências visíveis é diferente de como elas tratam as pessoas com deficiências invisíveis.

Outros fatores que podem influenciar incluem:

  • Se uma deficiência é física ou cognitiva.
  • Se uma condição é ou não bem conhecida do público em geral.
  • Se tem um histórico de estigmatização, pois isso pode levar ao desenvolvimento de mitos, estereótipos ou calúnias específicas.

Exemplos de Capacitismo

Exemplos de capacitismo variam de hostilidade e agressão flagrantes a interações cotidianas menos óbvias. Alguns exemplos destes incluem:

  • Perguntar a alguém o que há de “errado” com ele.
  • Dizendo: "Você não parece deficiente", como se isso fosse um elogio.
  • Ver uma pessoa com deficiência como inspiração para fazer coisas típicas, como ter uma carreira.
  • Assumir que uma deficiência física é um produto de preguiça ou falta de exercício.
  • Usar instalações públicas destinadas a pessoas com deficiência, como vagas de estacionamento ou banheiros.
  • Questionar se a deficiência de uma pessoa é real

Em uma escala maior, alguns exemplos de capacitismo incluem:

  • Linguagem capacitiva: Existem muitos exemplos de capacitismo na linguagem cotidiana. Termos como “burro” e “coxo” foram originalmente usados para descrever deficiências, mas hoje as pessoas os usam como sinônimos de “estúpido” ou “ruim”. As pessoas também usam mal as palavras de uma forma que banaliza as condições. Por exemplo, uma pessoa pode dizer: “Tenho TOC”.
  • Design inacessível: Projetar edifícios, espaços públicos, produtos e tecnologia que atenda apenas a pessoas sem deficiência é um exemplo de capacitismo. Isso inclui sites que não possuem recurso de ampliação de texto, prédios que não possuem rampa para cadeiras de rodas e calçadas com obstáculos que dificultam a caminhada.
  • Discriminação educacional: Escolas que se recusam a fazer adaptações para deficientes, falham em entender uma deficiência ou tentam “ensinar” uma criança a não ter sua deficiência são exemplos de capacitação na educação. Por exemplo, um professor pode punir uma criança por sua dislexia em vez de adaptar a forma como ela ensina.
  • Discriminação no emprego: Os empregadores podem ser tendenciosos contra as pessoas com deficiência, acreditando que elas são trabalhadores menos produtivos. Eles também podem recusar adaptações para deficientes a funcionários existentes ou permitir que o assédio moral no local de trabalho fique impune.

Capacitismo e saúde

Aqui estão algumas das maneiras pelas quais o capacitismo afeta a saúde e os cuidados a saúde.

Barreiras para cuidar

Alguns médicos assumem que ter uma deficiência inevitavelmente leva a uma baixa qualidade de vida. Isso se baseia na ideia de que uma pessoa só pode ter uma boa qualidade de vida se não for deficiente. Também pode estar relacionado à crença de que não ser deficiente torna a vida de alguém mais importante.

Esse viés tem sérias consequências. Isso pode fazer com que os profissionais médicos ignorem as experiências vividas por seus pacientes, culpem incorretamente novos sintomas pela deficiência de uma pessoa ou retirem o apoio médico na crença de que nada do que fizerem ajudará. Pode levar a barreiras à obtenção de cuidados de saúde, bem como a doenças e mortes evitáveis.

Descaso com a vida das pessoas

O capacitismo pode fazer com que as pessoas priorizem a saúde e a independência das pessoas sem deficiência em detrimento das pessoas com deficiência.

Por exemplo, durante a pandemia de COVID-19, algumas pessoas se recusaram a usar máscaras para evitar a propagação da doença, apesar de saberem que os idosos e as pessoas com certas condições de saúde corriam maior risco.

Isso mostra um claro desrespeito pela vida das pessoas mais vulneráveis ao COVID-19 e pelas pessoas com deficiência, como idosos e pessoas com doenças crônicas.

A falha em controlar a propagação do COVID-19 também levou as pessoas com deficiência a passar muito tempo dentro de casa. Alguns adiaram consultas médicas, não conseguiram acessar os serviços de cuidador ou foram excluídos das listas de prioridades.

Restrição física

É sabido que, historicamente, os médicos usaram da força para conter os movimentos de pacientes com problemas de saúde mental e diferenças no desenvolvimento. No entanto, a contenção física ainda ocorre nos ambientes de educação e saúde dos EUA.

O objetivo da contenção geralmente é impedir que as pessoas machuquem a si mesmas ou a outras pessoas, mas algumas instituições também a usam para impedir danos à propriedade, controlar o comportamento ou como punição por quebra de regras. Seu uso é desproporcionalmente alto entre pessoas com condições neurológicas ou de desenvolvimento, principalmente crianças.

Segundo um relatório*, dezenas de pessoas nos Estados Unidos morreram nas décadas de 1990 e 2000 devido à contenção física. Muitas eram crianças com deficiência.

Capacitismo refere-se ao viés, preconceito e discriminação contra pessoas com deficiência

Eugenia

A eugenia é a prática ou a crença na erradicação de características “indesejáveis” dos seres humanos por meio de reprodução seletiva. Era um conceito popular entre os cientistas no início do século 20 e foi responsável por muitos programas de esterilização em massa nos Estados Unidos. Também formou políticas semelhantes na Alemanha nazista e, em última análise, no Holocausto.

O impacto da eugenia ainda está presente na área da saúde. Em alguns casos, os programas duraram até o século 21 e muitos sobreviventes ainda estão vivos. O impacto mental e físico dos programas continuam afetando os sobreviventes e suas famílias.

Há também novas tecnologias, como testes e engenharia genética, que possibilitam evitar ou “eliminar” condições genéticas que podem causar deficiência. Alguns argumentam que isso pode permitir uma versão moderna da eugenia.

Qual é o impacto do capacitismo?

O capacitismo afeta a todos. Ele molda como as pessoas pensam sobre as diferenças físicas ou mentais, que qualquer um pode adquirir durante a vida. Também prejudica a sociedade como um todo ao:

  • Reduzindo o acesso a transporte, educação e internet.
  • Níveis crescentes de desemprego.
  • Aumento da pobreza.
  • Alimentando bullying, assédio e violência.
  • Causando institucionalização desnecessária.

O que é anticapacapacitismo?

Anticapacitismo significa trabalhar ativamente para desmantelar a capacitância. Começa com o reconhecimento de que o capacitismo existe, que causa sérios danos e que as pessoas sem deficiência se beneficiam desse sistema. Isso é conhecido como privilégio.

Pessoas sem deficiência não precisam pensar em acessibilidade ou se preocupar em enfrentar a discriminação de deficientes. Outros podem ser mais propensos a respeitar as pessoas sem deficiência ou promovê-las a posições de poder. Uma pessoa ou grupo de pessoas pode usar esse privilégio para ajudar outras pessoas.

Algumas maneiras de começar a praticar o anticapacitação incluem:

  • Aprendendo sobre a deficiência — o que significa e como afeta as pessoas.
  • aprendendo sobre capacitismo, estereótipos capacitistas e a história do ativismo pelos direitos das pessoas com deficiência.
  • Ouvir as pessoas com deficiência compartilharem suas experiências.
  • Desafiar o capacitismo conforme ele acontece, por exemplo, corrigindo um mito ou interrompendo o bullying.
  • dar uma plataforma às pessoas com deficiência, ou “passar o microfone”, em vez de falar por elas.
  • Defendendo a acessibilidade e a inclusão
  • Promulgar políticas ou leis que combatem o capacitismo.

Sumário

Capacitismo é o preconceito e a discriminação contra pessoas com deficiência. Baseia-se na ideia de que não ter deficiência é o padrão e qualquer coisa fora disso é anormal ou indesejável. Ela se manifesta de muitas maneiras diferentes, desde comentários sutis até hostilidade aberta.

Na área da saúde, o capacitismo pode afetar as interações com médicos e outros profissionais, políticas de saúde e resultados de saúde. A ideia de que as pessoas com deficiência têm menos valor ou menos qualidade de vida contribui para práticas prejudiciais que persistem até hoje.

O anticapacitismo é uma maneira de qualquer um trabalhar contra o capacitismo.

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para cuidados ou conselhos médicos profissionais. Entre em contato com um profissional de saúde se tiver dúvidas sobre sua saúde.


A BR Terapeutas é uma plataforma online que conecta pessoas com deficiência (PCD) a terapeutas especializados em atender esse público. A plataforma foi criada por uma fonoaudióloga que também é mãe atípica, que sentiu a necessidade de facilitar o acesso a serviços de saúde mental e bem-estar para pessoas com deficiência.

Referência

O tratamento envolve intervenções de diversas áreas como médicos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais entre outros, além da orientação de pais, cuidadores, amigos etc.

Você pode encontrar profissionais perto de você no site BR Terapeutas.