O que é Vaginose Bacteriana

A vaginose bacteriana é uma infecção vaginal comum que ocorre quando algumas bactérias normais que vivem na vagina crescem demais, causando um desequilíbrio bacteriano. Os sintomas incluem corrimento vaginal esbranquiçado ou cinza com cheiro de “suspeito”. A VB é facilmente tratável com antibióticos de um profissional de saúde.

Última revisão da página: 27 de setembro de 2023

Sobre a Vaginose Bacteriana


A vaginose bacteriana (VB) pode causar desconforto e dor na vagina. Acontece quando os níveis naturais de bactérias estão desequilibrados. Níveis equilibrados de bactérias ajudam a manter a vagina saudável. Mas quando muitas bactérias crescem, isso pode levar à VB.

A vaginose bacteriana pode ocorrer em qualquer idade. Mas é mais comum durante os anos reprodutivos. As mudanças nos hormônios durante esse período facilitam o crescimento de certos tipos de bactérias. Além disso, a vaginose bacteriana é mais comum entre aquelas sexualmente ativas. Não está claro por que isso acontece. Mas atividades como sexo desprotegido e duchas higiênicas aumentam o risco de contrair VB.

Vaginose Bacteriana - foto de uma mulher com dor na vagina - BR Terapeutas

Sintomas

Os sintomas da vaginose bacteriana incluem:

  • Corrimento vaginal fino que pode ser cinza, branco ou verde.
  • Odor vaginal fétido e de "suspeito".
  • Comichão vaginal.
  • Queimação durante a micção.

Muitas pessoas com vaginose bacteriana não apresentam sintomas.

Quando consultar um médico

Marque uma consulta com um profissional de saúde se:

  • Seu corrimento vaginal tem um cheiro incomum e você sente desconforto. Seu médico pode ajudar a encontrar a causa dos seus sintomas.
  • Você já teve infecções vaginais antes, mas seu corrimento parece diferente desta vez.
  • Você tem um novo parceiro sexual ou parceiros sexuais diferentes. Às vezes, os sintomas de uma infecção sexualmente transmissível (IST) são iguais aos da vaginose bacteriana.
  • Você pensou que tinha uma infecção por fungos, mas ainda apresenta sintomas após o autotratamento.

Causas

A vaginose bacteriana ocorre quando os níveis naturais de bactérias da vagina estão desequilibrados. As bactérias na vagina são chamadas de flora vaginal. A flora vaginal equilibrada ajuda a manter a vagina saudável. Normalmente, as bactérias “boas” superam as bactérias “ruins”. As bactérias boas são chamadas de lactobacilos; as bactérias ruins são anaeróbias. Quando há muitos anaeróbios, eles perturbam o equilíbrio da flora, causando vaginose bacteriana.

Fatores de risco

Os fatores de risco para vaginose bacteriana incluem:

  • Ter parceiros sexuais diferentes ou um novo parceiro sexual. A ligação entre fazer sexo e vaginose bacteriana não é clara. Mas a VB acontece com mais frequência quando alguém tem parceiros sexuais novos ou diferentes. Além disso, a VB é mais comum quando o sexo de ambos os parceiros é feminino.
  • Ducha. A vagina é autolimpante. Portanto, não é necessário enxaguar a vagina com água ou qualquer outra coisa. Pode até causar problemas. A ducha perturba o equilíbrio saudável de bactérias da vagina. Pode levar ao crescimento excessivo de bactérias anaeróbicas, causando vaginose bacteriana.
  • Falta natural de bactérias lactobacilos. Se sua vagina não produz lactobacilos suficientes, é mais provável que você desenvolva vaginose bacteriana.

Complicações

A vaginose bacteriana não causa complicações com muita frequência. Mas às vezes, ter BV pode levar a:

  • Infecções sexualmente transmissíveis. Se você tem VB, corre um risco maior de contrair uma IST. As DSTs incluem HIV, vírus herpes simplex, clamídia ou gonorréia. Se você tem HIV, a vaginose bacteriana aumenta o risco de transmitir o vírus ao seu parceiro.
  • Risco de infecção após cirurgia ginecológica. Ter VB pode aumentar o risco de desenvolver uma infecção após uma cirurgia, como histerectomia ou dilatação e curetagem (D&C).
  • Doença inflamatória pélvica (DIP). A vaginose bacteriana às vezes pode causar DIP. Esta infecção do útero e das trompas de falópio aumenta o risco de infertilidade.
  • Problemas de gravidez. Estudos anteriores mostraram uma possível ligação entre VB e problemas com a gravidez. Estes incluem nascimento prematuro e baixo peso ao nascer. Novos estudos mostram que estes riscos podem ser devidos a outras razões. Esses motivos incluem ter um histórico de parto prematuro. Mas os estudos concordam que você deve fazer o teste se notar sintomas de VB durante a gravidez. Se positivo, seu médico poderá escolher o melhor tratamento para você.

Diagnóstico

Para diagnosticar a vaginose bacteriana, seu médico pode:

  • Faça perguntas sobre seu histórico médico. Seu médico pode perguntar sobre quaisquer infecções vaginais ou DSTs que você já teve.
  • Faça um exame pélvico. Primeiro, seu médico examinará sua vagina em busca de sinais de infecção. A seguir, o médico sentirá seus órgãos pélvicos. Isso é feito inserindo dois dedos na vagina enquanto pressiona a região do estômago, também chamada de abdômen, com a outra mão.
  • Colete uma amostra de corrimento vaginal. Esta amostra será testada para "células pistas". As células pistas são células vaginais cobertas por bactérias. Estes são um sinal de BV.
  • Teste seu pH vaginal. A acidez da sua vagina pode ser testada com uma tira de pH. Você coloca a tira de teste na vagina. Um pH vaginal de 4,5 ou superior é um sinal de vaginose bacteriana.

Tratamento

Para tratar a vaginose bacteriana, o seu médico pode prescrever um dos seguintes medicamentos:

  • Metronidazol (Flagyl, Metrogel-Vaginal, outros). Este medicamento vem na forma de comprimido ou gel tópico. Você engole a pílula, mas o gel é inserido na vagina. Evite álcool enquanto estiver usando este medicamento e durante um dia inteiro depois. Pode causar náusea ou dor de estômago. Verifique as instruções do produto.
  • Clindamicina (Cleocin, Clindesse, outros). Este medicamento é apresentado na forma de um creme que você insere na vagina. Ou você pode usar a forma de comprimido ou supositório. O creme e os supositórios podem enfraquecer os preservativos de látex. Evite sexo durante o tratamento e por pelo menos três dias após parar de usar o medicamento. Ou use outro método de controle de natalidade.
  • Tinidazol (Tindamax). Você toma este medicamento por via oral. Pode causar dor de estômago. Portanto, evite álcool durante o tratamento e por pelo menos três dias após o término do tratamento.
  • Secnidazol (Solosec). Este é um antibiótico que você ingere uma vez com a comida. Ele vem como um pacote de grânulos que você espalha em um alimento macio, como purê de maçã, pudim ou iogurte. Você come a mistura em 30 minutos. Mas tome cuidado para não triturar ou mastigar os grânulos.

Normalmente, o tratamento não é necessário para um parceiro sexual cujo sexo seja masculino. Mas a VB pode se espalhar para parceiros cujo sexo seja feminino. Portanto, testes e tratamento podem ser necessários se uma parceira apresentar sintomas.

Tome o seu medicamento ou use o creme ou gel durante o tempo prescrito, mesmo que os sintomas desapareçam. Se você interromper o tratamento precocemente, a VB pode voltar. Isso é chamado de vaginose bacteriana recorrente.

Recorrência

É comum que a vaginose bacteriana volte dentro de 3 a 12 meses, mesmo com tratamento adequado. Os pesquisadores estão explorando opções para VB recorrente. Se os seus sintomas retornarem logo após o tratamento, converse com sua equipe médica. Pode ser possível fazer terapia com metronidazol de uso prolongado.

Pode haver algum benefício nos probióticos, mas são necessárias mais informações. Num ensaio aleatório, os probióticos não foram melhores do que um tratamento que não continha medicamentos, denominado placebo, na interrupção da VB recorrente. Portanto, os probióticos não são recomendados como opção de tratamento para a vaginose bacteriana.

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para cuidados ou conselhos médicos profissionais. Entre em contato com um profissional de saúde se tiver dúvidas sobre sua saúde.


A BR Terapeutas é uma plataforma de anúncios de profissionais da saúde e da educação especial que atendem pessoas com deficiência. Criada por uma fonoaudióloga que também é mãe atípica, viemos para facilitar a vida da comunidade PcD.

Referência

O tratamento envolve intervenções de diversas áreas como médicos, psicólogas, fisioterapeutas, fonoaudiólogas, terapeutas ocupacionais entre outros, além da orientação de pais, cuidadores, amigos etc.

Você pode encontrar terapeutas perto de você no site BR Terapeutas.