O que é esquizofrenia em crianças?

A esquizofrenia infantil é uma doença mental grave. É um problema duradouro e incapacitante do cérebro. Uma criança com esse distúrbio tem comportamento incomum e sentimentos estranhos. Ele pode de repente começar a ter sintomas psicóticos. Psicótico significa ter idéias, pensamentos ou sentimentos estranhos que não são baseados na realidade.

Última revisão da página: 20 de junho de 2023

Sobre a esquizofrenia infantil


A esquizofrenia infantil é um transtorno mental incomum, mas grave, no qual crianças e adolescentes interpretam a realidade de forma anormal. A esquizofrenia envolve uma série de problemas com pensamento (cognitivo), comportamento ou emoções. Pode resultar em alguma combinação de alucinações, delírios e pensamentos e comportamentos extremamente desordenados que prejudicam a capacidade de funcionamento de seu filho.

A esquizofrenia infantil é essencialmente a mesma que a esquizofrenia em adultos, mas começa cedo na vida – geralmente na adolescência – e tem um impacto profundo no comportamento e desenvolvimento da criança. Com a esquizofrenia infantil, a idade precoce de início apresenta desafios especiais para diagnóstico, tratamento, educação e desenvolvimento emocional e social.

A esquizofrenia é uma condição crônica que requer tratamento por toda a vida. Identificar e iniciar o tratamento para esquizofrenia infantil o mais cedo possível pode melhorar significativamente o resultado de longo prazo de seu filho.

O que é esquizofrenia em crianças?

Sintomas

A esquizofrenia envolve uma série de problemas de pensamento, comportamento ou emoções. Os sinais e sintomas podem variar, mas geralmente envolvem delírios, alucinações ou fala desorganizada e refletem uma capacidade prejudicada de funcionar. O efeito pode ser incapacitante.

Na maioria das pessoas com esquizofrenia, os sintomas geralmente começam em meados dos 20 anos, embora possam começar mais tarde, até meados dos 30 anos. A esquizofrenia é considerada de início precoce quando começa antes dos 18 anos. O início da esquizofrenia em crianças com menos de 13 anos é extremamente raro.

Os sintomas podem variar em tipo e gravidade ao longo do tempo, com períodos de piora e remissão dos sintomas. Alguns sintomas podem estar sempre presentes. A esquizofrenia pode ser difícil de reconhecer nas fases iniciais.

Sinais e sintomas iniciais

Os sinais e sintomas da esquizofrenia em crianças e adolescentes são semelhantes aos dos adultos, mas a condição pode ser mais difícil de reconhecer nessa faixa etária. Os primeiros sinais e sintomas podem incluir problemas de pensamento, comportamento e emoções.

Pensamento:

  • Problemas com pensamento e raciocínio
  • Ideias ou discursos bizarros
  • Confundir sonhos ou televisão com a realidade

Comportamento:

  • Retirada de amigos e familiares
  • Problemas para dormir
  • Falta de motivação – por exemplo, aparecendo como uma queda no desempenho na escola
  • Não atender às expectativas diárias, como tomar banho ou vestir-se
  • Comportamento bizarro
  • Comportamento violento ou agressivo ou agitação
  • Uso recreativo de drogas ou nicotina

Emoções:

  • Irritabilidade ou humor deprimido
  • Falta de emoção ou emoções inadequadas para a situação
  • Ansiedades e medos estranhos
  • Desconfiança excessiva dos outros
Sinais e sintomas posteriores

À medida que as crianças com esquizofrenia envelhecem, começam a aparecer sinais e sintomas mais típicos da doença. Sinais e sintomas podem incluir:

  • Delírios. Estas são crenças falsas que não são baseadas na realidade. Por exemplo, você acha que está sendo prejudicado ou assediado; que certos gestos ou comentários são direcionados a você; que você tem habilidade ou fama excepcionais; que outra pessoa está apaixonada por você; ou que uma grande catástrofe está prestes a ocorrer. Delírios ocorrem na maioria das pessoas com esquizofrenia.
  • Alucinações. Estes geralmente envolvem ver ou ouvir coisas que não existem. No entanto, para a pessoa com esquizofrenia, as alucinações têm toda a força e impacto de uma experiência normal. As alucinações podem ocorrer em qualquer um dos sentidos, mas ouvir vozes é a alucinação mais comum.
  • Pensamento desorganizado. O pensamento desorganizado é inferido da fala desorganizada. A comunicação eficaz pode ser prejudicada e as respostas às perguntas podem ser parcial ou totalmente não relacionadas. Raramente, a fala pode incluir juntar palavras sem sentido que não podem ser compreendidas, às vezes conhecidas como salada de palavras.
  • Comportamento motor extremamente desorganizado ou anormal. Isso pode se manifestar de várias maneiras, desde a tolice infantil até a agitação imprevisível. O comportamento não é focado em um objetivo, o que dificulta a execução das tarefas. O comportamento pode incluir resistência a instruções, postura inadequada ou bizarra, total falta de resposta ou movimento excessivo e inútil.
  • Sintomas negativos. Isso se refere à redução ou falta de capacidade de funcionar normalmente. Por exemplo, a pessoa pode negligenciar a higiene pessoal ou aparentar falta de emoção – não faz contato visual, não muda as expressões faciais, fala em um tom monótono ou não adiciona movimentos de mão ou cabeça que normalmente ocorrem ao falar. Além disso, a pessoa pode evitar pessoas e atividades ou não ter a capacidade de sentir prazer.

Em comparação com os sintomas da esquizofrenia em adultos, crianças e adolescentes podem ser:

  • Menos propensos a ter delírios
  • Mais propensos a ter alucinações visuais
Os sintomas podem ser difíceis de interpretar

Quando a esquizofrenia infantil começa cedo na vida, os sintomas podem aumentar gradualmente. Os primeiros sinais e sintomas podem ser tão vagos que você não consegue reconhecer o que está errado. Alguns sinais precoces podem ser confundidos com o desenvolvimento típico durante o início da adolescência, ou podem ser sintomas de outras condições físicas ou mentais.

Com o passar do tempo, os sinais podem se tornar mais graves e mais perceptíveis. Eventualmente, seu filho pode desenvolver sintomas de psicose, incluindo alucinações, delírios e dificuldade em organizar pensamentos. À medida que os pensamentos se tornam mais desorganizados, muitas vezes há uma "ruptura da realidade" (psicose), frequentemente exigindo hospitalização e tratamento com medicamentos.

Quando consultar um médico

Pode ser difícil saber como lidar com mudanças comportamentais vagas em seu filho. Você pode ter medo de tirar conclusões precipitadas que rotulam seu filho com uma doença mental. O professor de seu filho ou outro funcionário da escola pode alertá-lo sobre mudanças no comportamento de seu filho.

Procure atendimento médico o mais rápido possível se tiver dúvidas sobre o comportamento ou o desenvolvimento de seu filho.

Pensamentos e comportamento suicida

Pensamentos e comportamentos suicidas são comuns entre pessoas com esquizofrenia. Se você tem uma criança ou adolescente que corre o risco de tentar o suicídio ou fez uma tentativa de suicídio, certifique-se de que alguém fique com ele ou ela. Ligue para o 192 ou para o número de emergência local imediatamente. Ou se você acha que pode fazer isso com segurança, leve seu filho ao pronto-socorro do hospital mais próximo.

Causas

Não se sabe o que causa a esquizofrenia infantil, mas acredita-se que ela se desenvolva da mesma forma que a esquizofrenia adulta. Os pesquisadores acreditam que uma combinação de genética, química cerebral e ambiente contribui para o desenvolvimento do distúrbio. Não está claro por que a esquizofrenia começa tão cedo na vida de alguns e não em outros.

Problemas com certas substâncias químicas cerebrais que ocorrem naturalmente, incluindo neurotransmissores chamados dopamina e glutamato, podem contribuir para a esquizofrenia. Estudos de neuroimagem mostram diferenças na estrutura cerebral e no sistema nervoso central de pessoas com esquizofrenia. Embora os pesquisadores não tenham certeza sobre o significado dessas mudanças, eles indicam que a esquizofrenia é uma doença cerebral.

Fatores de risco

Embora a causa precisa da esquizofrenia não seja conhecida, certos fatores parecem aumentar o risco de desenvolver ou desencadear a esquizofrenia, incluindo:

  • Ter um histórico familiar de esquizofrenia
  • Aumento da ativação do sistema imunológico, como por inflamação
  • Maior idade do pai
  • Algumas complicações na gravidez e no parto, como desnutrição ou exposição a toxinas ou vírus que podem afetar o desenvolvimento do cérebro
  • Tomar drogas que alteram a mente (psicoativas) durante a adolescência

Complicações

Se não for tratada, a esquizofrenia infantil pode resultar em graves problemas emocionais, comportamentais e de saúde. As complicações associadas à esquizofrenia podem ocorrer na infância ou posteriormente, como:

  • Suicídio, tentativas de suicídio e pensamentos suicidas
  • Auto ferimento
  • Transtornos de ansiedade, transtornos do pânico e transtorno obsessivo-compulsivo (TOC)
  • Depressão
  • Abuso de álcool ou outras drogas, incluindo nicotina
  • Conflitos familiares
  • Incapacidade de viver de forma independente, frequentar a escola ou trabalhar
  • Isolamento social
  • Saúde e problemas médicos
  • Sendo vitimizado
  • Problemas legais e financeiros e falta de moradia
  • Comportamento agressivo, embora incomum

Prevenção

A identificação precoce e o tratamento podem ajudar a controlar os sintomas da esquizofrenia infantil antes que surjam complicações graves. O tratamento precoce também é crucial para ajudar a limitar os episódios psicóticos, que podem ser extremamente assustadores para uma criança e seus pais. O tratamento contínuo pode ajudar a melhorar as perspectivas de longo prazo do seu filho.

Diagnóstico

O diagnóstico da esquizofrenia infantil envolve a exclusão de outros transtornos de saúde mental e a determinação de que os sintomas não se devem ao uso de álcool ou drogas, medicamentos ou condição médica. O processo de diagnóstico pode envolver:

  • Exame físico. Isso pode ser feito para ajudar a descartar outros problemas que possam estar causando sintomas e para verificar se há complicações relacionadas.
  • Testes e rastreios. Isso pode incluir testes que ajudam a descartar condições com sintomas semelhantes e triagem para álcool e drogas. O médico também pode solicitar estudos de imagem, como ressonância magnética ou tomografia computadorizada.
  • Avaliação psiquiátrica. Isso inclui observar a aparência e o comportamento, perguntar sobre pensamentos, sentimentos e padrões de comportamento, incluindo quaisquer pensamentos de automutilação ou ferir outras pessoas, avaliar a capacidade de pensar e funcionar em um nível apropriado para a idade e avaliar o humor, a ansiedade e possíveis sintomas psicóticos. Isso também inclui uma discussão sobre a história familiar e pessoal.
  • Critérios diagnósticos para esquizofrenia. Seu médico ou profissional de saúde mental pode usar os critérios do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), publicado pela Associação Americana de Psiquiatria.
Processo desafiador

O caminho para diagnosticar a esquizofrenia infantil às vezes pode ser longo e desafiador. Em parte, isso ocorre porque outras condições, como depressão ou transtorno bipolar, podem apresentar sintomas semelhantes.

Um psiquiatra infantil pode querer monitorar os comportamentos, percepções e padrões de pensamento de seu filho por vários meses ou mais. Como os padrões de pensamento e comportamento e sinais e sintomas se tornam mais claros ao longo do tempo, um diagnóstico de esquizofrenia pode ser feito.

Em alguns casos, um psiquiatra pode recomendar o início dos medicamentos antes de fazer um diagnóstico oficial. Isso é especialmente importante para sintomas de agressão ou automutilação. Alguns medicamentos podem ajudar a limitar esses tipos de comportamento.

Como a esquizofrenia é tratada em uma criança?

O tratamento dependerá dos sintomas, idade e saúde geral do seu filho. Também dependerá de quão grave é a condição.

A esquizofrenia é uma doença mental importante. O tratamento é complexo. Uma criança geralmente precisa de uma combinação de terapias para atender às necessidades específicas. O tratamento visa aliviar os sintomas. Pode incluir o seguinte.

Medicação

As doses e os tipos de medicamentos podem precisar ser ajustados de tempos em tempos para que continuem funcionando bem. Seu filho pode receber:

  • Medicamentos para ajudar a reduzir delírios e alucinações (antipsicóticos). Esta classe especial de medicamentos pode reduzir os sintomas ou reduzir a gravidade dos sintomas. Mas eles não curam a esquizofrenia.
  • Medicamentos estabilizadores do humor. Exemplos são o lítio e o ácido valpróico, especialmente nos estágios iniciais da doença.
Outro tratamento
  • Grupos de autoajuda e apoio. Isso pode ajudar a criança a aprender maneiras de lidar com o distúrbio e também trabalhar em habilidades sociais.Terapia individual e familiar. Isso pode incluir terapia de apoio, pensamento e comportamento.
  • Programas de atividades educativas ou estruturadas especializadas. Isso pode incluir treinamento de habilidades sociais, treinamento vocacional e terapia de fala e linguagem.
  • Grupos de autoajuda e apoio. Isso pode ajudar a criança a aprender maneiras de lidar com o distúrbio e também trabalhar em habilidades sociais.

Referência

O tratamento envolve intervenções de diversas áreas como médicos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais entre outros, além da orientação de pais, cuidadores, amigos etc.

Você pode encontrar profissionais perto de você no site BR Terapeutas.