O que é disforia de gênero

A disforia de gênero (anteriormente conhecido como transtorno de identidade de gênero), de acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, é definida como uma "incongruência acentuada entre o gênero vivenciado ou expresso e aquele que lhes foi atribuído no nascimento".

Última revisão da página: 14 de junho de 2023

Sobre a Disforia de Gênero


A disforia de gênero é a sensação de desconforto ou angústia que pode ocorrer em pessoas cuja identidade de gênero difere do sexo atribuído no nascimento ou das características físicas relacionadas ao sexo.

Pessoas transgênero e com diversidade de gênero podem experimentar disforia de gênero em algum momento de suas vidas. No entanto, algumas pessoas transgênero e com diversidade de gênero se sentem à vontade com seus corpos, com ou sem intervenção médica.

Um diagnóstico de disforia de gênero está incluído no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), um manual publicado pela Associação Psiquiátrica Americana. O diagnóstico foi criado para ajudar as pessoas com disforia de gênero a terem acesso aos cuidados de saúde necessários e tratamento eficaz. O termo se concentra no desconforto como o problema, ao invés de identidade.

O que é disforia de gênero

Sintomas

A disforia de gênero pode fazer com que adolescentes e adultos experimentem uma diferença marcante entre a identidade de gênero interna e o gênero atribuído que dura pelo menos seis meses. A diferença é mostrada por pelo menos dois dos seguintes:

  • Uma diferença entre identidade de gênero e genitais ou características sexuais secundárias, como tamanho dos seios, voz e pelos faciais. Em adolescentes jovens, uma diferença entre identidade de gênero e características sexuais secundárias antecipadas.
  • Um forte desejo de se livrar desses órgãos genitais ou características sexuais secundárias, ou um desejo de prevenir o desenvolvimento de características sexuais secundárias.
  • Um forte desejo de ter os órgãos genitais e as características sexuais secundárias de outro gênero.
  • Um forte desejo de ser ou ser tratado como outro gênero.
  • Uma forte crença de ter os sentimentos e reações típicos de outro gênero.

A disforia de gênero também pode causar sofrimento significativo que afeta como você funciona em situações sociais, no trabalho ou na escola e em outras áreas da vida.

A disforia de gênero pode começar na infância e continuar na adolescência e na idade adulta. Ou você pode ter períodos em que não sente mais disforia de gênero. Você também pode experimentar disforia de gênero na época da puberdade ou muito mais tarde na vida.


Complicações

A disforia de gênero pode afetar muitos aspectos da vida, incluindo atividades diárias. As pessoas que sofrem de disforia de gênero podem ter dificuldades na escola devido à pressão para se vestir de uma maneira associada ao sexo atribuído no nascimento ou por medo de serem assediadas ou provocadas.

Se a disforia de gênero prejudicar a capacidade de funcionar na escola ou no trabalho, o resultado pode ser abandono escolar ou desemprego. Dificuldades de relacionamento são comuns. Ansiedade, depressão, automutilação, distúrbios alimentares, uso indevido de substâncias e outros problemas podem ocorrer.

As pessoas que têm disforia de gênero também costumam sofrer discriminação, resultando em estresse. O acesso aos serviços de saúde e de saúde mental pode ser difícil devido ao medo do estigma e à falta de prestadores de cuidados experientes.

Adolescentes e adultos com disforia de gênero sem tratamento de afirmação de gênero podem correr o risco de pensar ou tentar suicídio.


Diagnóstico

Seu médico pode fazer um diagnóstico de disforia de gênero com base em:

  • Avaliação de saúde comportamental. Seu provedor irá avaliá-lo para confirmar a presença de disforia de gênero e documentar como o preconceito e a discriminação devido à sua identidade de gênero (fatores de estresse minoritários) afetam sua saúde mental. Seu provedor também perguntará sobre o grau de apoio que você tem da família, família escolhida e colegas.
  • DSM-5. Seu profissional de saúde mental pode usar os critérios para disforia de gênero listados no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), publicado pela Associação Americana de Psiquiatria.

A disforia de gênero é diferente de simplesmente não se conformar com o comportamento estereotipado do papel de gênero. Envolve sentimentos de angústia devido a um desejo forte e generalizado de ser de outro gênero.

Alguns adolescentes podem expressar seus sentimentos de disforia de gênero aos pais ou a um profissional de saúde. Outros podem apresentar sintomas de transtorno de humor, ansiedade ou depressão. Ou podem ter problemas sociais ou acadêmicos.


Tratamento

O tratamento pode ajudar as pessoas com disforia de gênero a explorar sua identidade de gênero e encontrar o papel de gênero que se sinta confortável para elas, aliviando o sofrimento. No entanto, o tratamento deve ser individualizado. O que pode ajudar uma pessoa pode não ajudar outra.

As opções de tratamento podem incluir mudanças na expressão e no papel do gênero, terapia hormonal, cirurgia e terapia comportamental.

Se você tem disforia de gênero, procure a ajuda de um médico especializado no atendimento de pessoas com gênero diversificado.

Ao elaborar um plano de tratamento, seu médico irá examiná-lo quanto a problemas de saúde mental que talvez precisem ser tratados, como depressão ou ansiedade. Deixar de tratar essas preocupações pode dificultar a exploração de sua identidade de gênero e aliviar a disforia de gênero.

Mudanças na expressão e no papel do gênero

Isso pode envolver viver meio período ou período integral em outro papel de gênero que seja consistente com sua identidade de gênero.

Tratamento médico

O tratamento médico da disforia de gênero pode incluir:

  • Terapia hormonal, como terapia hormonal feminizante ou terapia hormonal masculinizante
  • Cirurgia, como cirurgia de feminização ou cirurgia de masculinização para alterar o tórax, a genitália externa, a genitália interna, as características faciais e o contorno corporal

Algumas pessoas usam a terapia hormonal para buscar a feminização ou masculinização máxima. Outros podem encontrar alívio da disforia de gênero usando hormônios para minimizar as características sexuais secundárias, como seios e pelos faciais.

Os tratamentos são baseados em seus objetivos e uma avaliação dos riscos e benefícios do uso de medicamentos. Os tratamentos também podem ser baseados na presença de quaisquer outras condições e na consideração de seus problemas sociais e econômicos. Muitas pessoas também acham que a cirurgia é necessária para aliviar a disforia de gênero.

A World Professional Association for Transgender Health fornece os seguintes critérios para o tratamento hormonal e cirúrgico da disforia de gênero:

  • Disforia de gênero persistente e bem documentada.
  • Capacidade para tomar uma decisão plenamente informada e consentir no tratamento.
  • Idade legal no país de uma pessoa ou, se for mais jovem, seguindo o padrão de cuidado para crianças e adolescentes.
  • Se preocupações médicas ou mentais significativas estiverem presentes, elas devem ser razoavelmente bem controladas.

Critérios adicionais se aplicam a alguns procedimentos cirúrgicos.

Uma avaliação médica pré-tratamento é feita por um médico com experiência e especialização em cuidados transgêneros antes do tratamento hormonal e cirúrgico da disforia de gênero. Isso pode ajudar a descartar ou abordar condições médicas que possam afetar esses tratamentos Esta avaliação pode incluir:

  • Um histórico médico pessoal e familiar
  • Um exame físico
  • Exames laboratoriais
  • Avaliação da necessidade de exames apropriados para idade e sexo
  • Identificação e gestão do uso de tabaco e uso indevido de drogas e álcool
  • Teste para HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis, juntamente com tratamento, se necessário
  • Avaliação do desejo de preservação da fertilidade e encaminhamento conforme necessário para criopreservação de esperma, óvulo, embrião ou tecido ovariano
  • Documentação do histórico de abordagens de tratamento potencialmente prejudiciais, como uso de hormônios não prescritos, injeções de silicone de força industrial ou autocirurgias

Tratamento de saúde comportamental

Este tratamento visa melhorar o seu bem-estar psicológico, qualidade de vida e autorrealização. A terapia comportamental não se destina a alterar sua identidade de gênero. Em vez disso, a terapia pode ajudá-lo a explorar as questões de gênero e encontrar maneiras de diminuir a disforia de gênero.

O objetivo do tratamento de saúde comportamental é ajudá-lo a se sentir confortável com a forma como expressa sua identidade de gênero, permitindo o sucesso nos relacionamentos, educação e trabalho. A terapia também pode abordar quaisquer outros problemas de saúde mental.

A terapia pode incluir aconselhamento individual, de casal, familiar e em grupo para ajudá-lo a:

  • Explore e integre sua identidade de gênero
  • Aceite-se
  • Abordar os impactos mentais e emocionais do estresse resultante de sofrer preconceito e discriminação por causa de sua identidade de gênero (estresse de minoria)
  • Construa uma rede de apoio
  • Desenvolva um plano para abordar questões sociais e legais relacionadas à sua transição e revelar-se para entes queridos, amigos, colegas e outros contatos próximos
  • Sinta-se à vontade para expressar sua identidade de gênero
  • Explorar a sexualidade saudável no contexto da transição de gênero
  • Tome decisões sobre suas opções de tratamento médico
  • Aumente seu bem-estar e qualidade de vida

A terapia pode ser útil durante muitas fases da sua vida.

Uma avaliação de saúde comportamental pode não ser necessária antes de receber o tratamento hormonal e cirúrgico da disforia de gênero, mas pode desempenhar um papel importante na tomada de decisões sobre as opções de tratamento. Esta avaliação pode avaliar:

  • Identidade de gênero e disforia
  • Impacto da identidade de gênero no trabalho, escola, casa e ambientes sociais, incluindo questões relacionadas à discriminação, abuso e estresse minoritário
  • Humor ou outros problemas de saúde mental
  • Comportamentos de risco e automutilação
  • Uso indevido de substâncias
  • Preocupações com a saúde sexual
  • Apoio social da família, amigos e colegas – um fator de proteção contra o desenvolvimento de depressão, pensamentos suicidas, tentativas de suicídio, ansiedade ou comportamentos de alto risco
  • Objetivos, riscos e expectativas do tratamento e trajetória do cuidado

Outras etapas

Outras maneiras de aliviar a disforia de gênero podem incluir o uso de:

  • Grupos de apoio de pares
  • Terapia de voz e comunicação para desenvolver características vocais que correspondam ao seu gênero experimentado ou expresso
  • Depilação ou transplante
  • Dobra genital
  • Amarração do peito
  • Preenchimento de peito
  • Embalagem
  • Serviços estéticos, como aplicação de maquiagem ou consulta de guarda-roupa
  • Serviços jurídicos, como diretivas avançadas, testamentos em vida ou documentação legal
  • Serviços sociais e comunitários para lidar com problemas no local de trabalho, estresse de minorias ou problemas com os pais

Enfrentar e apoiar

A disforia de gênero pode ser diminuída por ambientes de apoio e conhecimento sobre o tratamento para reduzir a diferença entre sua identidade de gênero interna e o sexo atribuído no nascimento.

O apoio social da família, amigos e colegas pode ser um fator protetor contra o desenvolvimento de depressão, pensamentos suicidas, tentativas de suicídio, ansiedade ou comportamentos de alto risco.

Outras opções de suporte incluem:

  • Cuidados de saúde mental. Você pode consultar um profissional de saúde mental para explorar seu gênero, falar sobre problemas de relacionamento ou falar sobre qualquer ansiedade ou depressão que esteja enfrentando.
  • Grupos de apoio. Conversar com outras pessoas trans ou com diversidade de gênero pode ajudá-lo a se sentir menos sozinho. Alguns centros comunitários ou LGBTQ têm grupos de apoio. Ou você pode procurar online.
  • Priorizando o autocuidado. Durma bastante. Alimente-se bem e faça exercícios. Reserve um tempo para relaxar e fazer as atividades que você gosta.
  • Meditação ou oração. Você pode encontrar conforto e apoio em sua espiritualidade ou comunidades de fé.
  • Envolver-se. Retribua à sua comunidade fazendo voluntariado, inclusive em organizações LGBTQ.

Referência

A ajuda envolve intervenções de diversas áreas como médicos, psicólogos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais entre outros, além da orientação de pais, cuidadores, amigos etc.

Você pode encontrar profissionais perto de você no site BR Terapeutas.