O que Demência Frontotemporal?

A demência frontotemporal, uma causa comum de demência, é um grupo de distúrbios que ocorrem quando as células nervosas nos lobos frontal e temporal do cérebro são perdidas. Isso faz com que os lóbulos encolham. A demência frontotemporal pode afetar o comportamento, personalidade, linguagem e movimento.

Última revisão da página: 12 de junho de 2023

Sobre a Demência frontotemporal


A demência frontotemporal é um termo abrangente para um grupo de distúrbios cerebrais que afetam principalmente os lobos frontal e temporal do cérebro. Essas áreas do cérebro geralmente estão associadas à personalidade, comportamento e linguagem.

Na demência frontotemporal, partes desses lobos encolhem (atrofiam). Os sinais e sintomas variam, dependendo de qual parte do cérebro é afetada. Algumas pessoas com demência frontotemporal têm mudanças dramáticas em suas personalidades e tornam-se socialmente inadequadas, impulsivas ou emocionalmente indiferentes, enquanto outras perdem a capacidade de usar a linguagem adequadamente.

A demência frontotemporal pode ser diagnosticada erroneamente como um problema psiquiátrico ou como doença de Alzheimer. Mas a demência frontotemporal tende a ocorrer em uma idade mais jovem do que a doença de Alzheimer. A demência frontotemporal geralmente começa entre as idades de 40 e 65 anos, mas também ocorre mais tarde na vida. A DFT é a causa de aproximadamente 10% a 20% dos casos de demência.

O que é a Demência Frontotemporal?

Sintomas

Sinais e sintomas de demência frontotemporal podem ser diferentes de um indivíduo para outro. Os sinais e sintomas pioram progressivamente ao longo do tempo, geralmente ao longo dos anos.

Grupos de tipos de sintomas tendem a ocorrer juntos e as pessoas podem ter mais de um grupo de tipos de sintomas.

Mudanças comportamentais

Os sinais mais comuns de demência frontotemporal envolvem mudanças extremas de comportamento e personalidade. Esses incluem:

  • Comportamento social cada vez mais inapropriado
  • Perda de empatia e outras habilidades interpessoais, como ter sensibilidade aos sentimentos de outra pessoa
  • Falta de julgamento
  • Perda de inibição
  • Perda de inibição
  • Falta de interesse (apatia), que pode ser confundido com depressão
  • Comportamento compulsivo repetitivo, como bater palmas ou estalar os lábios
  • Declínio na higiene pessoal
  • Mudanças nos hábitos alimentares, geralmente comendo demais ou desenvolvendo uma preferência por doces e carboidratos
  • Comer objetos não comestíveis
  • Querer compulsivamente colocar as coisas na boca

    Problemas de fala e linguagem

    Alguns subtipos de demência frontotemporal levam a problemas de linguagem ou comprometimento ou perda da fala. Afasia progressiva primária, demência semântica e afasia agramática progressiva (não fluente) são todas consideradas demência frontotemporal.

    Os problemas causados por essas condições incluem:

    • Dificuldade crescente em usar e entender a linguagem escrita e falada, como dificuldade em encontrar a palavra certa para usar na fala ou nomear objetos
    • Problemas para nomear as coisas, possivelmente substituindo uma palavra específica por uma palavra mais geral, como "isso" para caneta
    • Não sabendo mais o significado das palavras
    • Ter um discurso hesitante que pode soar telegráfico
    • Cometer erros na construção de frases

    Distúrbios motores

    Subtipos mais raros de demência frontotemporal são caracterizados por problemas de movimento semelhantes aos associados à doença de Parkinson ou à esclerose lateral amiotrófica (ELA).

    Problemas relacionados ao motor podem incluir:

    • Tremor
    • Rigidez
    • Espasmos ou contrações musculares
    • Má coordenação
    • Dificuldade para engolir
    • Fraqueza muscular
    • Rir ou chorar inapropriado
    • Quedas ou problemas de locomoção

    Causas

    Na demência frontotemporal, os lobos frontal e temporal do cérebro encolhem. Além disso, certas substâncias se acumulam no cérebro. O que causa essas alterações geralmente é desconhecido.

    Existem mutações genéticas que têm sido associadas à demência frontotemporal. Mas mais da metade das pessoas que desenvolvem demência frontotemporal não tem histórico familiar de demência.

    Recentemente, os pesquisadores confirmaram a genética compartilhada e as vias moleculares entre a demência frontotemporal e a esclerose lateral amiotrófica (ELA). Mais pesquisas precisam ser feitas para entender a conexão entre essas condições, no entanto.

    Fatores de risco

    Seu risco de desenvolver demência frontotemporal é maior se você tiver um histórico familiar de demência. Não há outros fatores de risco conhecidos.

    Diagnóstico

    Não há um teste único para demência frontotemporal. Os médicos procuram sinais e sintomas da doença e tentam excluir outras possíveis causas. O distúrbio pode ser especialmente difícil de diagnosticar precocemente porque os sintomas da demência frontotemporal geralmente se sobrepõem aos de outras condições.

    Exames de sangue

    Para ajudar a descartar outras condições, como doença hepática ou renal, seu médico pode solicitar exames de sangue.

    Estudo do sono

    Alguns sintomas da apneia obstrutiva do sono (problemas de memória e pensamento e alterações comportamentais) podem ser semelhantes aos da demência frontotemporal. Se você também tiver sintomas de apneia do sono (ronco alto e pausas na respiração durante o sono), seu médico pode solicitar que você se submeta a um estudo do sono para descartar a apneia obstrutiva do sono como causa de seus sintomas.

    Testes neuropsicológicos

    Às vezes, os médicos testam extensivamente suas habilidades de raciocínio e memória. Este tipo de teste é especialmente útil para determinar o tipo de demência em um estágio inicial. O padrão de anormalidade nos testes pode ajudar a distinguir a demência frontotemporal de outras causas de demência.

    Varreduras cerebrais

    Ao observar as imagens do cérebro, os médicos podem identificar quaisquer condições visíveis – como coágulos, sangramento ou tumores – que podem estar causando sinais e sintomas.

    • Ressonância magnética (RM). Uma máquina de ressonância magnética usa ondas de rádio e um forte campo magnético para produzir imagens detalhadas do cérebro.
    • Varredura do rastreador de emissão de pósitrons de fluorodesoxiglicose (FDG-PET). Este teste usa um marcador radioativo de baixo nível que é injetado no sangue. O traçador pode ajudar a mostrar áreas do cérebro onde os nutrientes são mal metabolizados. Áreas de baixo metabolismo podem mostrar onde ocorreu a degeneração no cérebro, o que pode ajudar os médicos a diagnosticar o tipo de demência.

    Tratamento

    Atualmente, não há cura ou tratamento específico para a demência frontotemporal. Os medicamentos usados para tratar ou retardar a doença de Alzheimer não parecem ser úteis para pessoas com demência frontotemporal, e alguns podem piorar os sintomas da demência frontotemporal. Mas certos medicamentos e terapia da fala podem ajudar a controlar os sintomas da demência frontotemporal.

    Medicamentos

    • Antidepressivos. Alguns tipos de antidepressivos, como a trazodona, podem reduzir os problemas comportamentais associados à demência frontotemporal. Inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs) – como citalopram (Celexa), paroxetina (Paxil) ou sertralina (Zoloft) – também foram eficazes em algumas pessoas.
    • Antipsicóticos. Medicamentos antipsicóticos, como a olanzapina (Zyprexa) ou quetiapina (Seroquel), às vezes são usados para tratar os problemas comportamentais da demência frontotemporal. No entanto, esses medicamentos devem ser usados com cautela em pessoas com demência devido ao risco de efeitos colaterais graves, incluindo aumento do risco de morte.

    Terapia

    Pessoas com dificuldades de linguagem podem se beneficiar da terapia da fala para aprender estratégias alternativas de comunicação.

    Estilo de vida e remédios caseiros

    Você precisará de cuidadores, à medida que sua condição progride, para ajudar nas atividades da vida diária, manter sua segurança, fornecer transporte e ajudar nas finanças. Seu médico discutirá as mudanças de estilo de vida com você, como quando você precisar parar de dirigir ou deixar alguém em quem você confia assumir suas finanças.

    O exercício cardiovascular regular pode ajudar a melhorar seu humor e habilidades de pensamento.

    Pode ser útil fazer alguns ajustes em sua casa para facilitar as tarefas da vida diária e reduzir a chance de lesões, como remover tapetes ou levantar vasos sanitários.

    Em alguns casos, os cuidadores podem reduzir os problemas comportamentais mudando a forma como interagem com as pessoas com demência. Pergunte ao médico do seu ente querido sobre quaisquer recursos disponíveis que forneçam treinamento para cuidar de alguém com demência. Possíveis mudanças na interação incluem:

    • Evitar eventos ou atividades que desencadeiam o comportamento indesejável
    • Removendo sinais ambientais negativos, como as chaves do carro
    • Mantendo um ambiente calmo
    • Fornecendo rotinas estruturadas
    • Simplificando as tarefas diárias
    • Distrair e redirecionar a atenção de comportamentos problemáticos

Referência

O tratamento envolve intervenções de diversas áreas como médicos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais entre outros, além da orientação de pais, cuidadores, amigos etc.

Você pode encontrar profissionais perto de você no site BR Terapeutas.