O que é o Autismo Regressivo

Cerca de um terço das crianças com TEA perdem algumas habilidades durante o período pré-escolar, geralmente a fala, mas às vezes também a comunicação não-verbal, as habilidades sociais ou lúdicas também são afetadas.

Última revisão da página: 21 de agosto de 2023

Sobre o autismo regressivo


A ocorrência de regressão do desenvolvimento no transtorno do espectro do autismo (TEA) é um dos fenômenos mais intrigantes desse transtorno. Pouco se sabe sobre a natureza e o mecanismo da regressão do desenvolvimento no TEA. Cerca de um terço das crianças com TEA perdem algumas habilidades durante o período pré-escolar, geralmente a fala, mas às vezes também a comunicação não-verbal, as habilidades sociais ou lúdicas também são afetadas.

Há muitas evidências sugerindo que a maioria das crianças que demonstram regressão também tiveram diferenças sutis de desenvolvimento anteriores. É difícil prever o prognóstico de crianças autistas com regressão do desenvolvimento.

Parece que o desenvolvimento anterior de comportamentos sociais, de linguagem e de apego seguido de regressão não prevê a recuperação posterior de habilidades ou melhores resultados de desenvolvimento. Os mecanismos subjacentes que levam à regressão no autismo são desconhecidos. O papel da epilepsia subclínica na regressão do desenvolvimento de crianças com autismo permanece obscuro.

Palavras-chave: Autismo regressivo, Transtorno do espectro do autismo, Regressão do desenvolvimento, Regressão da linguagem, Apego social

Artigo sobre autismo regressivo - foto de uma menino autista brincando

Introdução

Os transtornos do espectro do autismo (TEA) representam um grupo heterogêneo de deficiências de desenvolvimento com características centrais de deficiências sociais e de comunicação ao lado de interesses circunscritos e/ou comportamentos motores repetitivos. Indivíduos com TEA geralmente apresentam uma variedade de condições associadas, incluindo epilepsia, problemas de comportamento, ansiedade, habilidades cognitivas prejudicadas e perda de habilidades na primeira infância.

A regressão do desenvolvimento no autismo é uma das características mais desafiadoras desse transtorno. Embora vários estudos tenham documentado a validade dos relatos dos pais sobre a regressão usando vídeos caseiros, no entanto, os dados sugerem que a maioria das crianças que demonstram regressão também demonstraram diferenças sutis de desenvolvimento anteriores.

O autismo é a condição mais frequente em que ocorre a regressão. Outro transtorno que demonstra uma regressão precoce sem etiologia conhecida é o transtorno desintegrativo da infância, que demonstra relações comportamentais com o autismo. Além disso, outras duas condições biológicas com etiologias conhecidas também envolvem regressão com alguns comportamentos semelhantes ao fenótipo comportamental do autismo. Estes são a síndrome de Rett (um distúrbio genético) e a síndrome de Landau-Kleffner (que envolve um distúrbio convulsivo). Os principais objetivos deste artigo são fornecer uma visão geral das várias definições operacionais do termo “regressão” na literatura. Isso inclui as cinco amplas definições operacionais de regressão, a saber; linguagem, social, linguagem + social, início misto e não especificado de regressão; e características de crianças que passaram por tal regressão.

A literatura sobre TEA com regressão (TEA-R) cresceu significativamente nos últimos 25 anos. Não existe uma definição universalmente aceita; no entanto, todas as definições suportam que a regressão envolve a perda de uma habilidade previamente adquirida, como a linguagem.

Os relatos dos pais e a observação clínica levaram a uma aceitação geral de pelo menos dois padrões distintos de desenvolvimento inicial no autismo. O mais comumente relatado é um curso gradual de início em que certos comportamentos ou a falta deles causam preocupação dos pais durante os primeiros 2 anos da criança. Isso resulta em um diagnóstico sendo dado entre 3-4 anos de idade. Freqüentemente, porém, os pais relatam falha em perceber os sintomas até o segundo ano de vida; em retrospectiva, eles percebem que as anormalidades comportamentais estavam presentes muito antes. O segundo padrão de curso precoce é caracterizado por desenvolvimento normal ou quase normal, seguido por perda de habilidades durante o primeiro ou segundo ano de vida.

Atualmente, duas classes específicas do termo regressão são evidentes na literatura sobre autismo, linguagem e linguagem/regressões sociais. A regressão da linguagem refere-se, à perda de verbalizações enquanto a regressão linguagem/social, indica outro comportamento social envolvido além da linguagem. A partir desses termos operacionais, pode-se argumentar sobre a existência de regressão social independente da regressão da linguagem; a regressão social sozinha é extremamente rara. Vários pesquisadores relataram outras regressões não definidas (por exemplo, “regressão autista”) ou perda de outras regressões não lingüísticas ou não sociais (por exemplo, “regressão motora”). Estes são referidos coletivamente aqui como regressão mista, mas a maioria dos casos parece refletir principalmente a perda de verbalizações (ou seja, regressão de linguagem).

Pensava-se que a perda de habilidades era o padrão de início típico no autismo. No entanto, os dados da pesquisa demonstram que a regressão é característica de apenas uma minoria de crianças.

Etiologia

Até o momento, as causas da regressão no autismo são desconhecidas. Fatores potenciais, como epilepsia, EEGs epileptiformes e imunizações na primeira infância não apoiaram ligações causais ou mesmo correlacionais.

Áreas potencialmente promissoras indicam que uma história familiar de doença autoimune da tireoide pode estar implicada no desenvolvimento de TEA-R e os genes iniciais foram localizados. Além disso, os papéis de diferentes estressores psicossociais ainda não estão bem estabelecidos.

Apresentação clínica

Tempo de regressão

O momento do início do autismo regressivo é de interesse para médicos e pais, devido à importância da intervenção precoce. Vários estudos relataram dados sobre o tempo de regressão variando entre o segundo ano de vida e 81 meses. Uma meta-análise recente descobriu que, em 28 estudos, a idade média relatada de regressão era de cerca de 20 meses de idade. Vários pesquisadores relataram dados sobre a proporção de crianças com TEA-R cujo início da perda de habilidades cai em certas faixas etárias pré-especificadas em vez de médias. Esses dados indicam que uma minoria de pais relata que seus filhos perderam habilidades após o segundo ano de vida. No geral, a regressão ocorre tipicamente no segundo e terceiro anos de vida, com uma ocorrência média de cerca de 20 meses. A natureza do grupo de estudo deve ser levada em consideração ao relatar a porcentagem de crianças com regressão.

Mudanças comportamentais

A perda da linguagem é o aspecto da regressão relatado com mais frequência pelos pais. A perda de linguagem ocorre em crianças que têm um repertório verbal muito limitado. Kurita relatou que 94% das crianças com autismo e perda da fala tinham fala de apenas uma palavra (e um vocabulário extremamente limitado) no momento da regressão. A perda de habilidade social também foi extensa, envolvendo perda de contato visual, bem como perda de interesses sociais e jogos imitativos. Uma minoria de autismo regressivo perdeu habilidades motoras e habilidades adaptativas básicas, como autoalimentação e uso do banheiro.

Características de crianças que sofreram regressão

Nenhuma relação foi identificada entre a regressão autista e qualquer característica familiar. Diferenças no status socioeconômico, etnia, ordem de nascimento, eventos de nascimento de alto risco, gênero e idade no momento do diagnóstico não estão associados à regressão.

Regressão e sintomatologia central do autismo

Muitas evidências têm apoiado que crianças com autismo regressivo têm níveis mais altos de sintomatologia de autismo do que crianças com autismo não regressivo. Da mesma forma, crianças com regressão de linguagem pontuam mais na sintomatologia do autismo quando comparadas a crianças com autismo não regressivoR. A fonte mais provável dessas diferenças é de maiores deficiências de comunicação social em crianças com regressão de linguagem.

Correlatos e prognóstico para crianças com regressão

Autismo regressivo e capacidade cognitiva. Os dados indicam que as médias de QI são comparáveis às crianças com TEA-R e TEA-NR. No entanto, uma diferença é encontrada ao considerar as proporções de indivíduos em cada grupo cujas habilidades cognitivas se enquadram nas faixas de habilidades cognitivas inferiores. Crianças com regressão de linguagem ou mista constituem proporções maiores de indivíduos com dificuldades intelectuais moderadas a graves em comparação com os grupos de TEA-NR. Além disso, indivíduos com TEA-R são mais propensos a ter uma deficiência intelectual em comparação com indivíduos com TEA-NR.

TEA-R e marcos de desenvolvimento e habilidades de desenvolvimento. Nenhuma diferença foi relatada em relação às habilidades de vida diária de crianças com TEA-R e TEA-NR usando Vineland Adapted Behavior Scales ou habilidades motoras finas.

Estudos recentes indicam que o desenvolvimento de crianças com TEA-R e TEA-NR não difere de maneira dramática, além da aquisição precoce da linguagem em crianças com TEA-R. A evidência é mista em relação à idade em que a fala de frases é usada em crianças com TEA-R em comparação com TEA-NR. No entanto, dados sobre a idade dos primeiros passos o desenvolvimento geral, habilidades de vida diária e aquisição de habilidade motora fina indicam que crianças com TEA-R não diferem de TEA-NR.

Conclusão

A interpretação dos dados existentes em relação à regressão é complicada pelo uso de múltiplas definições operacionais, muitas vezes mal definidas. Parece que crianças com TEA-R são mais propensas a ter deficiências cognitivas em comparação com crianças com TEA-NR, bem como níveis mais altos de sintomatologia autista, particularmente na área de sintomas de comunicação social.

Embora ainda não entendamos a biologia da regressão no autismo, temos muitas informações sobre a fenomenologia. É uma experiência muito dolorosa para os pais que buscam explicações e ficam se culpando. A regressão do desenvolvimento pode, no entanto, ser um marcador precoce e confiável em várias crianças com autismo.

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para cuidados ou conselhos médicos profissionais. Entre em contato com um profissional de saúde se tiver dúvidas sobre sua saúde.

Referência

Artigo escrito por Nouf Backer Al Backer. Department of Paediatrics, College of Medicine, King Saud University and King Khalid University Hospital, Riad, Arábia Saudita.

O tratamento envolve intervenções de diversas áreas como médicos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais entre outros, além da orientação de pais, cuidadores, amigos etc.

Você pode encontrar profissionais perto de você no site BR Terapeutas.