O que é a Depressão Adolescente?

Ser adolescente pode ser difícil, mas não deve ser desesperador. Se você tem se sentido triste a maior parte do tempo por algumas semanas ou mais e não consegue se concentrar ou fazer as coisas que costumava gostar, converse com um adulto de confiança sobre a depressão.

Última revisão da página: 21 de junho de 2023

Sobre a Depressão na adolescência


A depressão adolescente é um grave problema de saúde mental que causa um sentimento persistente de tristeza e perda de interesse nas atividades. Afeta o modo como o adolescente pensa, sente e se comporta e pode causar problemas emocionais, funcionais e físicos. Embora a depressão possa ocorrer em qualquer momento da vida, os sintomas podem ser diferentes entre adolescentes e adultos.

Questões como pressão dos colegas, expectativas acadêmicas e mudanças corporais podem trazer muitos altos e baixos para os adolescentes. Mas para alguns adolescentes, os baixos são mais do que apenas sentimentos temporários - eles são um sintoma de depressão.

A depressão adolescente não é uma fraqueza ou algo que pode ser superado com força de vontade – pode ter sérias consequências e requer tratamento de longo prazo. Para a maioria dos adolescentes, os sintomas de depressão diminuem com o tratamento, como medicamentos e aconselhamento psicológico.

Causa e tratamento para depressão na adolescência

Sintomas

Os sinais e sintomas de depressão na adolescência incluem uma mudança de atitude e comportamento anterior do adolescente que pode causar angústia e problemas significativos na escola ou em casa, em atividades sociais ou em outras áreas da vida.

Os sintomas de depressão podem variar em gravidade, mas as mudanças nas emoções e no comportamento do adolescente podem incluir os exemplos abaixo.

Mudanças emocionais

Esteja alerta para mudanças emocionais, como:

  • Sentimentos de tristeza, que podem incluir crises de choro sem motivo aparente
  • Frustração ou sentimentos de raiva, mesmo por questões pequenas
  • Sentir-se sem esperança ou vazio
  • Humor irritável ou irritado
  • Perda de interesse ou prazer em atividades habituais
  • Perda de interesse ou conflito com familiares e amigos
  • Baixa auto-estima
  • Sentimentos de inutilidade ou culpa
  • Fixação em falhas passadas ou autocensura exagerada ou autocrítica
  • Extrema sensibilidade à rejeição ou falha e a necessidade de reafirmação excessiva
  • Dificuldade para pensar, concentrar-se, tomar decisões e lembrar-se das coisas
  • Sensação contínua de que a vida e o futuro são sombrios e sombrios
  • Pensamentos frequentes de morte, morrer ou suicídio
Mudanças comportamentais

Fique atento a mudanças de comportamento, como:

  • Cansaço e perda de energia
  • Insônia ou dormir demais
  • Alterações no apetite – diminuição do apetite e perda de peso, ou aumento do desejo por comida e ganho de peso
  • Uso de álcool ou drogas
  • Agitação ou inquietação – por exemplo, andar, torcer as mãos ou incapacidade de ficar parado
  • Pensamento lento, fala ou movimentos corporais
  • Queixas frequentes de dores inexplicáveis no corpo e dores de cabeça, que podem incluir visitas frequentes à enfermeira da escola
  • Isolamento social
  • Desempenho escolar ruim ou faltas frequentes à escola
  • Menos atenção à higiene pessoal ou à aparência
  • Explosões de raiva, comportamento perturbador ou arriscado ou outros comportamentos de atuação
  • Automutilação – por exemplo, cortar ou queimar
  • Fazer um plano de suicídio ou uma tentativa de suicídio
O que é normal e o que não é

Pode ser difícil dizer a diferença entre altos e baixos que são apenas parte de ser adolescente e depressão adolescente. Converse com seu filho adolescente. Tente determinar se ele ou ela parece capaz de lidar com sentimentos desafiadores ou se a vida parece opressiva.

Quando consultar um médico

Se os sinais e sintomas de depressão continuarem, começarem a interferir na vida de seu filho adolescente ou causarem preocupações sobre suicídio ou segurança de seu filho adolescente, converse com um médico ou um profissional de saúde mental treinado para trabalhar com adolescentes. O médico de família ou pediatra de seu filho adolescente é um bom lugar para começar. Ou a escola de seu filho adolescente pode recomendar alguém.

Os sintomas da depressão provavelmente não melhorarão por conta própria – e podem piorar ou levar a outros problemas se não forem tratados. Adolescentes deprimidos podem estar em risco de suicídio, mesmo que os sinais e sintomas não pareçam graves.

Se você é adolescente e acha que pode estar deprimido - ou tem um amigo que pode estar deprimido - não espere para obter ajuda. Fale com um prestador de cuidados de saúde, como o seu médico ou a enfermeira da escola. Compartilhe suas preocupações com um pai, um amigo próximo, um líder espiritual, um professor ou outra pessoa em quem você confia.

Causas

Não se sabe exatamente o que causa a depressão, mas uma variedade de questões pode estar envolvida. Esses incluem:

  • Química cerebral. Os neurotransmissores são substâncias químicas cerebrais de ocorrência natural que transportam sinais para outras partes do cérebro e do corpo. Quando esses produtos químicos são anormais ou prejudicados, a função dos receptores nervosos e do sistema nervoso muda, levando à depressão.
  • Hormônios. Alterações no equilíbrio dos hormônios do corpo podem estar envolvidas na causa ou no desencadeamento da depressão.
  • Traços herdados. A depressão é mais comum em pessoas cujos parentes de sangue – como pais ou avós – também têm a doença.
  • Traumas da primeira infância. Eventos traumáticos durante a infância, como abuso físico ou emocional ou perda de um dos pais, podem causar alterações no cérebro que aumentam o risco de depressão.
  • Padrões aprendidos de pensamento negativo. A depressão na adolescência pode estar ligada a aprender a se sentir impotente – em vez de aprender a se sentir capaz de encontrar soluções para os desafios da vida.

Fatores de risco

Muitos fatores aumentam o risco de desenvolver ou desencadear a depressão adolescente, incluindo:

  • Ter problemas que afetam negativamente a auto-estima, como obesidade, problemas com colegas, bullying de longo prazo ou problemas acadêmicos
  • Ter sido vítima ou testemunha de violência, como abuso físico ou sexual
  • Ter outras condições de saúde mental, como transtorno bipolar, transtorno de ansiedade, transtorno de personalidade, anorexia ou bulimia
  • Ter uma dificuldade de aprendizagem ou transtorno de déficit de atenção / hiperatividade (TDAH)
  • Ter dor contínua ou uma doença física crônica, como câncer, diabetes ou asma
  • Ter certos traços de personalidade, como baixa auto-estima ou ser excessivamente dependente, autocrítico ou pessimista
  • Abuso de álcool, nicotina ou outras drogas
  • Ser gay, lésbica, bissexual ou transgênero em um ambiente sem apoio

Histórico familiar e problemas com a família ou outras pessoas também podem aumentar o risco de depressão do adolescente, como:

  • Ter um pai, avô ou outro parente de sangue com problemas de depressão, transtorno bipolar ou uso de álcool
  • Ter um familiar que morreu por suicídio
  • Ter uma família com grandes problemas de comunicação e relacionamento
  • Ter experimentado eventos estressantes recentes na vida, como divórcio dos pais, serviço militar dos pais ou a morte de um ente querido

Complicações

A depressão não tratada pode resultar em problemas emocionais, comportamentais e de saúde que afetam todas as áreas da vida do adolescente. As complicações relacionadas à depressão adolescente podem incluir, por exemplo:

  • Abuso de álcool e drogas
  • Problemas acadêmicos
  • Conflitos familiares e dificuldades de relacionamento
  • Tentativas de suicídio ou suicídio

Prevenção

Não há uma maneira segura de prevenir a depressão. No entanto, essas estratégias podem ajudar. Incentive seu adolescente a:

  • Tome medidas para controlar o estresse, aumentar a resiliência e aumentar a auto-estima para ajudar a lidar com os problemas quando eles surgirem
  • Pratique o autocuidado, por exemplo, criando uma rotina de sono saudável e usando eletrônicos com responsabilidade e moderação
  • Busque amizade e apoio social, especialmente em tempos de crise
  • Obtenha tratamento ao primeiro sinal de um problema para ajudar a prevenir o agravamento da depressão
  • Manter o tratamento contínuo, se recomendado, mesmo após o desaparecimento dos sintomas, para ajudar a prevenir uma recaída dos sintomas de depressão

Diagnóstico

Quando há suspeita de depressão na adolescência, o médico geralmente faz esses exames e testes.

  • Exame físico. O médico pode fazer um exame físico e fazer perguntas detalhadas sobre a saúde do adolescente para determinar o que pode estar causando a depressão. Em alguns casos, a depressão pode estar ligada a um problema de saúde física subjacente.
  • Testes de laboratório. Por exemplo, o médico do seu filho pode fazer um exame de sangue chamado hemograma completo ou testar a tireoide do seu filho para garantir que está funcionando corretamente.
  • Avaliação psicológica. Um médico ou profissional de saúde mental pode conversar com seu filho adolescente sobre pensamentos, sentimentos e comportamento e pode incluir um questionário. Isso ajudará a identificar um diagnóstico e verificar se há complicações relacionadas.
Tipos de depressão

Os sintomas causados pela depressão maior podem variar de pessoa para pessoa. Para esclarecer o tipo de depressão que seu filho tem, o médico pode usar um ou mais especificadores, o que significa depressão com características específicas. Aqui estão alguns exemplos:

  • Sofrimento ansioso – depressão com inquietação incomum ou preocupação com possíveis eventos ou perda de controle
  • Características melancólicas – depressão grave com falta de resposta a algo que costumava trazer prazer e associada a despertar matinal, humor piorado pela manhã, grandes mudanças no apetite e sentimentos de culpa, agitação ou lentidão
  • Características atípicas – depressão que inclui a capacidade de ser temporariamente animado por eventos felizes, aumento do apetite, necessidade excessiva de sono, sensibilidade à rejeição e sensação de peso nos braços ou pernas
Outros distúrbios que causam sintomas de depressão

Vários outros distúrbios incluem a depressão como sintoma. Um diagnóstico preciso é a chave para obter o tratamento adequado. A avaliação do médico ou profissional de saúde mental ajudará a determinar se os sintomas de depressão são causados por uma destas condições:

  • Transtornos bipolares 1 e 2. Esses transtornos de humor incluem mudanças de humor que variam de grandes altos a grandes baixos. Às vezes é difícil distinguir entre transtorno bipolar e depressão.
  • Transtorno ciclotímico. O transtorno ciclotímico (sy-kloe-THIE-mik) envolve altos e baixos que são mais leves do que os do transtorno bipolar.
  • Transtorno disruptivo da desregulação do humor. Esse distúrbio de humor em crianças inclui irritabilidade crônica e severa e raiva com frequentes explosões de temperamento extremo. Esse distúrbio geralmente se desenvolve em transtorno depressivo ou transtorno de ansiedade durante a adolescência ou a idade adulta.
  • Transtorno depressivo persistente. Às vezes chamada de distimia (dis-THIE-me-uh), esta é uma forma de depressão menos grave, mas mais crônica. Embora geralmente não seja incapacitante, o transtorno depressivo persistente pode impedir o funcionamento normal nas rotinas diárias e de viver a vida ao máximo.
  • Transtorno disfórico pré-menstrual. Isso envolve sintomas de depressão associados a alterações hormonais que começam uma semana antes e melhoram alguns dias após o início do período menstrual. Os sintomas são mínimos ou desaparecem após o término do período.
  • Outras causas de depressão. Isso inclui a depressão causada pelo uso de drogas recreativas ou ilegais, certos medicamentos prescritos ou uma condição médica.

Tratamento

O tratamento depende do tipo e gravidade dos sintomas de depressão do adolescente. Uma combinação de psicoterapia (psicoterapia) e medicação pode ser muito eficaz para a maioria dos adolescentes com depressão. Se seu filho adolescente tem depressão grave ou corre o risco de se machucar, ele pode precisar de internação hospitalar ou participar de um programa de tratamento ambulatorial até que os sintomas melhorem. Aqui está um olhar mais atento sobre as opções de tratamento da depressão.

Medicamentos

Alguns medicamentos aprovados como fluoxetina (Prozac) e escitalopram (Lexapro). Converse com o médico de seu filho sobre as opções de medicamentos e possíveis efeitos colaterais, avaliando os benefícios e riscos.

Encontrar o medicamento certo

Todo mundo é diferente, portanto, encontrar o medicamento ou a dose certa para o adolescente pode exigir algumas tentativas e erros. Isso requer paciência, pois alguns medicamentos precisam de várias semanas ou mais para fazer efeito total e para que os efeitos colaterais diminuam à medida que o corpo se ajusta. Incentive seu filho a não desistir.

Gerenciando medicamentos

Monitore cuidadosamente o uso de medicamentos por seu filho adolescente. Para funcionar corretamente, os antidepressivos precisam ser tomados consistentemente na dose prescrita. Como a overdose pode ser um risco para adolescentes com depressão, o médico pode prescrever apenas pequenos suprimentos de comprimidos por vez ou recomendar que você distribua medicamentos para que seu filho adolescente não tenha uma grande quantidade de comprimidos disponíveis de uma só vez. Trancar todos os comprimidos em casa é uma medida que as famílias podem tomar para reduzir o risco de suicídio.

Se seu filho tiver efeitos colaterais incômodos, ele ou ela não deve parar de tomar um antidepressivo sem antes falar com o médico. Alguns antidepressivos podem causar sintomas de abstinência, a menos que a dose seja reduzida lentamente - parar repentinamente pode causar um agravamento repentino da depressão.

Antidepressivos e gravidez

Se seu filho adolescente estiver grávida ou amamentando, alguns antidepressivos podem representar um risco aumentado para a saúde do feto ou do lactente. Se sua filha adolescente engravidar ou planeja engravidar, certifique-se de que ela converse com o médico sobre medicamentos antidepressivos e como lidar com a depressão durante a gravidez.

Psicoterapia

A psicoterapia, também chamada de aconselhamento psicológico ou terapia da fala, é um termo geral para o tratamento da depressão, conversando sobre a depressão e questões relacionadas com um profissional de saúde mental. Diferentes tipos de psicoterapia podem ser eficazes para a depressão, como terapia cognitivo-comportamental ou terapia interpessoal.

A psicoterapia pode ser feita individualmente, com familiares ou em grupo. Por meio de sessões regulares, seu filho adolescente pode:

  • Conheça as causas da depressão
  • Aprenda a identificar e fazer mudanças em comportamentos ou pensamentos não saudáveis
  • Explorar relacionamentos e experiências
  • Encontre melhores maneiras de lidar e resolver problemas
  • Defina metas realistas
  • Recupere uma sensação de felicidade e controle
  • Ajudar a aliviar os sintomas de depressão, como desesperança e raiva
  • Ajustar-se a uma crise ou outra dificuldade atual
Hospitalização e outros programas de tratamento

Em alguns adolescentes, a depressão é tão grave que é necessária uma internação hospitalar, especialmente se o adolescente estiver em perigo de se machucar ou machucar outra pessoa. Obter tratamento psiquiátrico em um hospital pode ajudar a manter seu adolescente calmo e seguro até que as habilidades de enfrentamento sejam aprendidas e um plano de segurança seja desenvolvido.

Programas de tratamento diurno também podem ajudar. Esses programas fornecem o apoio e o aconselhamento necessários enquanto o adolescente mantém os sintomas de depressão sob controle.

Referência

O tratamento envolve intervenções de diversas áreas como médicos, psicólogas, fonoaudiólogas, terapeutas ocupacionais entre outros, além da orientação de pais, cuidadores, amigos etc.

Você pode encontrar profissionais perto de você no site BR Terapeutas.