O que é o Transtorno do Espectro Autista (TEA)

O transtorno do espectro do autismo (TEA) é uma condição do neurodesenvolvimento normalmente diagnosticada durante a infância. O antigo nome de TEA é autismo, e muitas pessoas ainda usam o termo. Mas o TEA inclui várias condições dentro do espectro. O TEA muda a maneira como seu filho interage e se comunica. Não há cura para o autismo, mas os sintomas podem diminuir com o tempo.

Última revisão da página: 15 de maio de 2024

Saiba tudo sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA)


O transtorno do espectro do autismo é uma condição relacionada ao desenvolvimento do cérebro que afeta a forma como uma pessoa percebe e se socializa com outras pessoas, causando problemas na interação social e na comunicação. O transtorno também inclui padrões de comportamento limitados e repetitivos. O termo "espectro" no transtorno do espectro do autismo refere-se à ampla gama de sintomas e gravidade.

O transtorno do espectro do autismo inclui condições que antes eram consideradas separadas – autismo, síndrome de Asperger, transtorno desintegrativo da infância e uma forma não especificada de transtorno invasivo do desenvolvimento. Algumas pessoas ainda usam o termo “síndrome de Asperger”, que geralmente é considerado um transtorno leve do espectro do autismo.

O transtorno do espectro do autismo começa na primeira infância e eventualmente causa problemas de funcionamento na sociedade – socialmente, na escola e no trabalho, por exemplo. Freqüentemente, as crianças apresentam sintomas de autismo no primeiro ano. Um pequeno número de crianças parece desenvolver-se normalmente no primeiro ano e depois passa por um período de regressão entre os 18 e os 24 meses de idade, quando desenvolve sintomas de autismo.

Embora não haja cura para o transtorno do espectro do autismo, o tratamento intensivo e precoce pode fazer uma grande diferença na vida de muitas crianças.

Sintomas

Algumas crianças apresentam sinais de transtorno do espectro do autismo na primeira infância, como redução do contato visual, falta de resposta ao seu nome ou indiferença para com os cuidadores. Outras crianças podem desenvolver-se normalmente durante os primeiros meses ou anos de vida, mas depois tornam-se subitamente retraídas ou agressivas ou perdem as competências linguísticas que já adquiriram. Os sinais geralmente são vistos aos 2 anos de idade.

É provável que cada criança com transtorno do espectro do autismo tenha um padrão único de comportamento e nível de gravidade – de baixo funcionamento a alto funcionamento.

Algumas crianças com transtorno do espectro do autismo têm dificuldade de aprendizagem e algumas apresentam sinais de inteligência inferior ao normal. Outras crianças com o distúrbio têm inteligência normal a alta – aprendem rapidamente, mas têm dificuldade em comunicar e aplicar o que sabem na vida quotidiana e em adaptar-se a situações sociais.

Devido à mistura única de sintomas em cada criança, às vezes pode ser difícil determinar a gravidade. Geralmente é baseado no nível de deficiências e como elas afetam a capacidade de funcionamento.

Abaixo estão alguns sinais comuns mostrados por pessoas com transtorno do espectro do autismo.

Comunicação e interação social

Uma criança ou adulto com transtorno do espectro do autismo pode ter problemas de interação social e habilidades de comunicação, incluindo qualquer um destes sinais:

  • Não responde ao nome dele ou parece não ouvir você às vezes
  • Resiste a abraçar e abraçar e parece preferir brincar sozinho, refugiando-se em seu próprio mundo
  • Tem pouco contato visual e falta expressão facial
  • Não fala ou tem fala atrasada ou perde a capacidade anterior de dizer palavras ou frases
  • Não é possível iniciar uma conversa ou mantê-la, ou apenas inicia uma para fazer solicitações ou rotular itens
  • Fala com um tom ou ritmo anormal e pode usar uma voz monótona ou uma fala robótica
  • Repete palavras ou frases literalmente, mas não entende como usá-las
  • Não parece entender perguntas ou instruções simples
  • Não expressa emoções ou sentimentos e parece inconsciente dos sentimentos dos outros
  • Não aponta ou traz objetos para compartilhar interesse
  • Aborda inadequadamente uma interação social sendo passivo, agressivo ou perturbador
  • Tem dificuldade em reconhecer sinais não-verbais, como interpretar expressões faciais, posturas corporais ou tom de voz de outras pessoas
Padrões de comportamento

Uma criança ou adulto com transtorno do espectro do autismo pode ter padrões de comportamento, interesses ou atividades limitados e repetitivos, incluindo qualquer um destes sinais:

  • Executa movimentos repetitivos, como balançar, girar ou bater as mãos
  • Realiza atividades que podem causar automutilação, como morder ou bater cabeça
  • Desenvolve rotinas ou rituais específicos e fica perturbado à menor mudança
  • Tem problemas de coordenação ou tem padrões de movimento estranhos, como falta de jeito ou andar na ponta dos pés, e tem linguagem corporal estranha, rígida ou exagerada
  • É fascinado pelos detalhes de um objeto, como as rodas giratórias de um carrinho de brinquedo, mas não entende o propósito geral ou a função do objeto
  • É incomumente sensível à luz, ao som ou ao toque, mas pode ser indiferente à dor ou à temperatura
  • Não se envolve em brincadeiras imitativas ou de faz-de-conta
  • Fixa-se em um objeto ou atividade com intensidade ou foco anormal
  • Tem preferências alimentares específicas, como comer apenas alguns alimentos ou recusar alimentos com determinada textura

À medida que amadurecem, algumas crianças com transtorno do espectro do autismo tornam-se mais envolvidas com outras pessoas e apresentam menos distúrbios de comportamento. Alguns, geralmente aqueles com problemas menos graves, podem eventualmente levar uma vida normal ou quase normal. Outros, no entanto, continuam a ter dificuldades com competências linguísticas ou sociais, e a adolescência pode trazer problemas comportamentais e emocionais piores.

Causas

O transtorno do espectro do autismo não tem uma causa única conhecida. Dada a complexidade do distúrbio e o fato de os sintomas e a gravidade variarem, provavelmente existem muitas causas. Tanto a genética quanto o meio ambiente podem desempenhar um papel.

  • Genética. Vários genes diferentes parecem estar envolvidos no transtorno do espectro do autismo. Para algumas crianças, o transtorno do espectro do autismo pode estar associado a um distúrbio genético, como a síndrome de Rett ou a síndrome do X frágil. Para outras crianças, alterações genéticas (mutações) podem aumentar o risco de transtorno do espectro do autismo. Ainda outros genes podem afectar o desenvolvimento do cérebro ou a forma como as células cerebrais comunicam, ou podem determinar a gravidade dos sintomas. Algumas mutações genéticas parecem ser herdadas, enquanto outras ocorrem espontaneamente.
  • Fatores Ambientais. Os pesquisadores estão atualmente explorando se fatores como infecções virais, medicamentos ou complicações durante a gravidez, ou poluentes atmosféricos desempenham um papel no desencadeamento do transtorno do espectro do autismo.
Não há ligação entre vacinas e transtorno do espectro do autismo

Uma das maiores controvérsias no transtorno do espectro do autismo centra-se na existência de uma ligação entre o transtorno e as vacinas infantis. Apesar da extensa pesquisa, nenhum estudo confiável mostrou uma ligação entre o transtorno do espectro do autismo e quaisquer vacinas. Na verdade, o estudo original que acendeu o debate anos atrás foi retratado devido ao design deficiente e aos métodos de pesquisa questionáveis.

Evitar a vacinação infantil pode colocar o seu filho e outras pessoas em risco de contrair e espalhar doenças graves, incluindo tosse convulsa (coqueluche), sarampo ou caxumba.

Fatores de risco

O número de crianças diagnosticadas com transtorno do espectro do autismo está aumentando. Não está claro se isso se deve a uma melhor detecção e notificação ou a um aumento real no número de casos, ou a ambos.

O transtorno do espectro do autismo afeta crianças de todas as raças e nacionalidades, mas certos fatores aumentam o risco de uma criança. Isso pode incluir:

  • O sexo do seu filho. Os meninos têm cerca de quatro vezes mais probabilidade de desenvolver transtorno do espectro do autismo do que as meninas.
  • História de família. Famílias que têm um filho com transtorno do espectro do autismo têm um risco aumentado de ter outro filho com o transtorno. Também não é incomum que os pais ou parentes de uma criança com transtorno do espectro do autismo tenham pequenos problemas com habilidades sociais ou de comunicação ou se envolvam em certos comportamentos típicos do transtorno.
  • Outros distúrbios. Crianças com certas condições médicas apresentam um risco maior do que o normal de transtorno do espectro do autismo ou sintomas semelhantes aos do autismo. Os exemplos incluem a síndrome do X frágil, uma doença hereditária que causa problemas intelectuais; esclerose tuberosa, uma condição na qual se desenvolvem tumores benignos no cérebro; e a síndrome de Rett, uma doença genética que ocorre quase exclusivamente em meninas, que causa lentidão no crescimento da cabeça, deficiência intelectual e perda do uso intencional das mãos.
  • Bebês extremamente prematuros. Bebês nascidos antes das 26 semanas de gestação podem ter maior risco de transtorno do espectro do autismo.
  • Idades dos pais. Pode haver uma ligação entre crianças nascidas de pais mais velhos e o transtorno do espectro do autismo, mas são necessárias mais pesquisas para estabelecer essa ligação.

Complicações

Problemas com interações sociais, comunicação e comportamento podem levar a:

  • Problemas na escola e com aprendizagem bem sucedida
  • Problemas de emprego
  • Incapacidade de viver de forma independente
  • Isolamento social
  • Estresse dentro da família
  • Vitimização e bullying

Prevenção

Não há como prevenir o transtorno do espectro do autismo, mas existem opções de tratamento. O diagnóstico e a intervenção precoces são muito úteis e podem melhorar o comportamento, as habilidades e o desenvolvimento da linguagem. No entanto, a intervenção é útil em qualquer idade. Embora as crianças geralmente não superem os sintomas do transtorno do espectro do autismo, elas podem aprender a funcionar bem.

Diagnóstico

O médico do seu filho procurará sinais de atrasos no desenvolvimento em exames regulares. Se seu filho apresentar algum sintoma de transtorno do espectro do autismo, você provavelmente será encaminhado a um especialista que trata crianças com transtorno do espectro do autismo, como um psiquiatra ou psicólogo infantil, neurologista pediátrico ou pediatra do desenvolvimento, para uma avaliação.

Como o transtorno do espectro do autismo varia amplamente em termos de sintomas e gravidade, pode ser difícil fazer um diagnóstico. Não existe um exame médico específico para determinar o distúrbio. Em vez disso, um especialista pode:

  • Observe seu filho e pergunte como as interações sociais, habilidades de comunicação e comportamento dele se desenvolveram e mudaram ao longo do tempo
  • Dê ao seu filho testes que abrangem audição, fala, linguagem, nível de desenvolvimento e questões sociais e comportamentais
  • Apresente interações sociais e de comunicação estruturadas para seu filho e avalie o desempenho
  • Use os critérios do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), publicado pela Associação Americana de Psiquiatria
  • Incluir outros especialistas na determinação de um diagnóstico
  • Recomende testes genéticos para identificar se seu filho tem uma doença genética, como síndrome de Rett ou síndrome do X frágil
Saiba tudo sobre autismo (tea)

Tratamento

Não existe cura para o transtorno do espectro do autismo e não existe um tratamento único que sirva para todos. O objetivo do tratamento é maximizar a capacidade funcional do seu filho, reduzindo os sintomas do transtorno do espectro do autismo e apoiando o desenvolvimento e a aprendizagem. A intervenção precoce durante os anos pré-escolares pode ajudar seu filho a aprender habilidades sociais, de comunicação, funcionais e comportamentais críticas.

A variedade de tratamentos e intervenções domiciliares e escolares para o transtorno do espectro do autismo pode ser esmagadora e as necessidades do seu filho podem mudar com o tempo. Seu médico pode recomendar opções e ajudar a identificar recursos em sua área.

Se seu filho for diagnosticado com transtorno do espectro do autismo, converse com especialistas sobre como criar uma estratégia de tratamento e formar uma equipe de profissionais para atender às necessidades do seu filho.

As opções de tratamento podem incluir:

  • Terapias Comportamentais e de Comunicação. Muitos programas abordam a gama de dificuldades sociais, linguísticas e comportamentais associadas ao transtorno do espectro do autismo. Alguns programas concentram-se na redução de comportamentos problemáticos e no ensino de novas habilidades. Outros programas concentram-se em ensinar as crianças a agir em situações sociais ou a comunicar melhor com os outros. A análise comportamental aplicada (ABA) pode ajudar as crianças a aprender novas habilidades e generalizá-las para múltiplas situações por meio de um sistema de motivação baseado em recompensas.
  • Terapias educativas. As crianças com transtorno do espectro do autismo geralmente respondem bem a programas educacionais altamente estruturados. Programas bem-sucedidos normalmente incluem uma equipe de especialistas e uma variedade de atividades para melhorar as habilidades sociais, a comunicação e o comportamento. As crianças em idade pré-escolar que recebem intervenções comportamentais intensivas e individualizadas apresentam frequentemente bons progressos.
  • Terapias familiares. Os pais e outros membros da família podem aprender a brincar e interagir com os seus filhos de forma a promover competências de interacção social, gerir comportamentos problemáticos e ensinar competências de vida diária e comunicação.
  • Outras terapias. Dependendo das necessidades do seu filho, a terapia da fala para melhorar as habilidades de comunicação, a terapia ocupacional para ensinar atividades da vida diária e a fisioterapia para melhorar o movimento e o equilíbrio podem ser benéficas. Um psicólogo pode recomendar maneiras de lidar com o comportamento problemático.
  • Medicamentos. Nenhum medicamento pode melhorar os principais sinais do transtorno do espectro do autismo, mas medicamentos específicos podem ajudar a controlar os sintomas. Por exemplo, certos medicamentos podem ser prescritos se o seu filho for hiperativo; medicamentos antipsicóticos às vezes são usados para tratar problemas comportamentais graves; e antidepressivos podem ser prescritos para ansiedade. Mantenha todos os profissionais de saúde atualizados sobre quaisquer medicamentos ou suplementos que seu filho esteja tomando. Alguns medicamentos e suplementos podem interagir, causando efeitos colaterais perigosos.
Gerenciando outras condições médicas e de saúde mental

Além do transtorno do espectro do autismo, crianças, adolescentes e adultos também podem apresentar:

  • Questões de saúde médica. Crianças com transtorno do espectro do autismo também podem ter problemas médicos, como epilepsia, distúrbios do sono, preferências alimentares limitadas ou problemas estomacais. Pergunte ao médico do seu filho como lidar melhor com essas condições em conjunto.
  • Problemas com a transição para a idade adulta. Adolescentes e jovens adultos com transtorno do espectro do autismo podem ter dificuldade em compreender as mudanças corporais. Além disso, as situações sociais tornam-se cada vez mais complexas na adolescência e pode haver menos tolerância às diferenças individuais. Problemas de comportamento podem ser desafiadores durante a adolescência.
  • Outros transtornos de saúde mental. Adolescentes e adultos com transtorno do espectro do autismo frequentemente apresentam outros transtornos de saúde mental, como ansiedade e depressão. O seu médico, profissional de saúde mental e organizações de defesa e serviços comunitários podem oferecer ajuda.
Planejando o futuro

As crianças com perturbação do espectro do autismo normalmente continuam a aprender e a compensar os problemas ao longo da vida, mas a maioria continuará a necessitar de algum nível de apoio. Planejar as oportunidades futuras do seu filho, como emprego, faculdade, situação de moradia, independência e os serviços necessários para apoio, pode tornar esse processo mais tranquilo.

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para cuidados ou conselhos médicos profissionais. Entre em contato com um profissional de saúde se tiver dúvidas sobre sua saúde.


A BR Terapeutas é uma plataforma online que conecta pessoas com deficiência (PCD) a terapeutas especializados em atender esse público. A plataforma foi criada por uma fonoaudióloga que também é mãe atípica, que sentiu a necessidade de facilitar o acesso a serviços de saúde mental e bem-estar para pessoas com deficiência.

Referência

O tratamento envolve intervenções de diversas áreas como médicos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais entre outros, além da orientação de pais, cuidadores, amigos etc.

Você pode encontrar profissionais perto de você no site BR Terapeutas.